quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Seguindo em Frente

Nenhum comentário:
Planeta Terra, Setor 8023 do terceiro quadrante para a TARDIS Tipo 40, Marca I.

Querido Vovô,

Espero que esteja tudo bem contigo. Estou ótima, David está igualmente bem. Estamos muito felizes juntos. Desfrutamos de estabilidade e conforto na Terra depois que você, o Ian e a Bárbara foram embora, e eu estou adorando a sensação de pertencer a um único lugar, embora sempre com uma imensa saudade dos três.

Não sei quando receberá esta carta, mas faz poucos dias que nos separamos e já estou com saudade. Mesmo assim, sei o como és e como a TARDIS comporta-se, além de sua política de seguir em frente, lidar com os problemas e superá-los para continuar com a vida, já que não há nenhum motivo louvável para pará-la. Já não mais grito ou choro por pouco, por parte graças ao David, por me fazer perceber como é importante ser independente e não esperar que os outros cuidem de mim. Agora sei que preciso lutar com minhas próprias mãos para vencer.

Não sei quando, ou se, te verei novamente, mas saiba que sempre te amarei e nunca esquecerei o que me ensinaste, de como és e de todas as nossas aventuras juntos. Espero que o senhor não tenha se decepcionado tanto comigo que um dia não possa ter orgulho de mim.

Agora, parece que escrevi um bilhete de tão curta que ficou minha carta, mas entenda que não consigo expor tudo que sinto em palavras, mas saiba que meus sentimentos valem muito mais que um punhado de letras. Boa viagem, sempre vá para onde quiser e seja feliz o quanto puder!

Com amor e carinho, Susan.

The Doctor and Susan
DeviantArt

Leitura (Fílmica) Recomendada
Invasão Dalek da Terra
Logopolis

Leia Também
O Viajante Desconhecido

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

A Beleza de uma Arte Independente

Nenhum comentário:
Jogos eletrônicos vêm ganhando destaque atualmente, sendo atacados e aclamados pela mídia convencional e virtual. E o simples fato de nosso cérebro ainda poder ser enganado facilmente por artifícios eletrônicos que nos trazem o sistema de recompensa de uma maneira impensável há algumas décadas nos faz acreditar que esse sucesso ainda perdure por um longo período.

Quando começaram a criar jogos, a complexidade tecnológica para programar alguns poucos pixels jogando pingue-pongue era imensa, apenas grandes empresas poderiam produzir e distribuir jogos eletrônicos, limitando essa nova arte de ser produzida por indivíduos, por um pequeno grupo de pessoas. Esses tipos de jogos eram muito polidos, o objetivo era que um grande público consumisse, e, talvez por causa disso, alguns não deram certo. Não que a arte comercial seja ruim, mas pode torna-se muito rasa se não houver cuidado. Sem contar que uma obra com poucos recursos necessita de mais criatividade, e há de se admirar criatura que seja tão formosa vinda de um número tão reduzido de criadores.

Divulgação