sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Solidão Espacial

O fascínio da imensidão do universo e a possibilidade das maravilhas que podem estar nele contidas residente em minha pessoa sempre fez com que o Astronauta fosse um dos meus personagens favoritos de Maurício de Sousa. Além de que, tal como os arquétipos entre o núcleo central da Turma da Mônica e a da Luluzinha, o personagem possui características semelhantes a outro peculiar viajante: o grande explorador que perdeu objetos de grande estima e se devotou ao seu imensurável amor pelas estrelas, pelas quais viaja; Curioso e muito inteligente, explora diversos mundos e salva povos alienígenas, eventualmente voltando à Terra para descansar.

No ano que antecedeu seu cinquentenário, o Astronauta recebeu um novo estilo gráfico pelas mãos de Danilo beirute, digo, Beyruth, que atua uma nova versão de antigas estórias do personagem, cujo desenrolar das tramas era o Astronauta descobrindo algum problema em sua nave e ficando só e doente no espaço até a ajuda chegar.

Jamar Muniz
Como dito pelo Maurício de Sousa no prefácio de Astronauta Magnetar... "O tema solidão costuma render grandes histórias, desde que bem trabalhado. Afinal, quando se está só com seus pensamentos, o ser humano vivencia tudo o que a cabeça permite." Por isso que o próprio, além de seus diversos roteiristas, criaram várias estórias sobre esse tema e também sobre a saudade do lar, mas sempre com o bom humor. Também havia o elemento dramático, mais sério, contudo, atenuado. O enredo do quadrinho de Danilo é bem interessante, pois sai do âmbito cômico tradicional para alcançar reflexões sobre a psicologia humana.

Ao contrário do que seria de se esperar tratando-se de uma ficção científica no espaço, não há alienígenas para interagir, ou outra fantasia relacionada, mas uma reflexão sobre o estar só, distante de todos que conhece para alcançar um objetivo considerado maior e mais nobre. Encaminhando-se para o final da HQ, há uma sequência em que o protagonista começa a delirar demasiadamente por cansaço e fome, fazendo com que ele veja seu avô, seus familiares e seus amigos, tudo para mostrar que a mente do Astronauta acreditava precisar de um equilíbrio entre conquistas profissionais e afetividade, não a dedicação plena ao trabalho.

Segundo o autor, o quadrinho "não acaba em um final feliz". Visto a falta de equilíbrio entre realizações profissionais e relações sociais, o personagem fica bastante abalado e deseja remediar essa situação. Argumento que lembra o medo que a solidão provoca nas pessoas... O fato de estar só não é ruim, não é prejudicial, pode ser até libertador para fazermos o que quisermos sem se preocupar com o que os outros pensarão e sem precisar desse julgamento tão presente na sociedade. Cada indivíduo nasce e morre tendo que viver com ele mesmo, e certos indivíduos tentam encobrir esse companheiro porque algo o desagrada nele, e busca as qualidades de segundos e terceiros, tornando-se carente desses requisitos. Daí nasce a sensação de solidão quando não há a quem interagir, e, mesmo em multidões, o indivíduo desanima-se e pensa que o que há nele não é de valor ou que só presta se for apreciado por outros.

Wikia
Em Astronauta Magnetar, Danilo também referencia quadrinhos publicados nas revistas da MSP, fazendo o avô dizer que costuma pensar como seriam as coisas se tivesse tomado outra escolha, atitude tomada pelo neto na história original do personagem. Um fato pertinente a destacado, e retratado na HQ em que o Astronauta vive uma realidade paralela onde resolveu criar família na Terra, é o de que os caminhos não importam, mas as escolhas pessoais. Questionar-se é bom, mas viver lamentando-se de que poderia viver melhor se escolhesse outro caminho para trilhar é insensato, no mínimo.

E mesmo que o autoconhecimento seja importante, é muito bom interagir com outras cabeças, outras ideologias, outros universos... Enriquecer a mente, acrescentar melhorias para si, através de aprendizados de segundos, terceiros, já que ninguém é perfeito e todos podem estar sempre progredindo.
Infelizmente, assim como o Astronauta, muitos estão rodeados de várias estrelas, mas como não sabem como se comunicar com elas pensam que estão sozinhos, como uma gota no mar.

Clique na imagem acima para ler/baixar a 1ª HQ do Astronauta
"Talvez algum dia a solidão venha a ser adequadamente reconhecida e apreciada como mestra da personalidade. Há muito que os orientais o sabem." - Albert Einstein

Leitura Recomendada
O Pavor da Solidão
Artigo de O Espanador
Artigo sobre o quadrinho por Alessandro Giannini
Viver sozinho não é problema. Já sentir-se sozinho...
Vídeo Recomendado
Patrícia Pirota

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.