quinta-feira, 20 de junho de 2013

O Viajante Desconhecido

Nenhum comentário:
Era uma vez um homem. Alguém que havia cansado da maçante rotina a qual foi designado. Largou tudo de mão e foi-se. Simples assim. Com um meio de transporte peculiar, foi em busca de explorações, aventuras e tantas outras peripécias que existisse. Com sua adorável neta, a primeira companhia que escolheu, esse viajante começou uma jornada infindável pelas estrelas.

Em meio a tantos lugares, visitaram um planetinha azul e por ele a singela criança que acompanhava o viajante nutriu um afeto. Ela adorava os seres que ali viviam. Tão perseverantes, fortes, inteligentes, astuciosos! Tanto que ficou feliz com a companhia de alguns em suas aleatórias viagens com seu avô. E era apenas o início...

DeviantArt

terça-feira, 11 de junho de 2013

Lições Magicamente Amigáveis

Nenhum comentário:
Muitos dos atuais desenhos possuem como personagens animais antropomórficos, resgatando uma peculiar característica que propaga através do tempo, desde o princípio com Walt Disney e companhia. A diferença entre tais programas de ambas épocas é o limite da loucura que é adicionada em cada um. Com a propagação de uma preocupação às vezes infundada, entre outros fatores, não vemos mais a tão famigerada violência em formato lúdica, muito utilizada pelos Looney Tunes e Pica-Pau, só para citar os mais famosos, em que as crianças em estado de saúde adequado podiam ver os dispirocados personagens se esquartejarem, e estarem ilesos pouco tempo depois, sem que isso as afetasse de modo negativo.

Outro aspecto interessante eram as lições que certas animações passavam, como He-Man e She-Ra, com conselhos de ordem social, e Ônibus Mágico, com o didatismo de ambiente escolar sendo mostrado de forma imaginativa, criativa, divertida... É engraçado perceber que os atuais desenhos de indicação livre não terem tais aspectos e ignorarem completamente o que poderia ser o primeiro passo de uma visão crítica através de sutis, ou nem tanto, metáforas.

Nisso, My Little Pony retorna.

DeviantArt
Depois de estórias fracas e insossas que permearam o final do século XX nas animações de Meu Querido Pônei, no ano que finalizou a primeira década do século XXI, a franquia retorna com estilo completamente diferente daquele já visto. My Little Pony: A Amizade é Mágica, ou My Little Pony: Friendship is Magic, estreia em 2010 com novas ideias de Lauren Faust, cujo intuito foi criar uma série animada que ensinasse os filhos e agradasse os pais.

Provavelmente por causa do enorme apreço que Lauren possui pela franquia desde filhotinha e sua indignação pela situação feminina na maioria dos produtos culturais, onde são tratadas como meras coadjuvantes e raramente como protagonistas tão independentes e não-esteriotipadas quanto os homens, ela incubiu às personagens personalidades bem estruturadas e as envolveu em um cenário de predominância feminina, onde homens são a exceção, invertendo o estigma imposto por diversas obras.
DeviantArt
O resultado desse trabalho foi um belo desenho de temática cotidiana possuidor de lindíssima e encantadora estética, que se desenrola a partir de problemas criados pelas personagens principais: Twilight, a estudiosa; Raibow Dash, a destemida; Pinkie Pie, a extrovertida; Rarity, a glamurosa; Fluttershy, a delicada; Applejack, a trabalhadora. Cada qual com suas personalidades sendo melhor exploradas ao decorrer das temporadas, sem centralizar as abordagens inseridas em uma única protagonista, sempre com base na amizade, cuja importância é explicada já nos primeiros episódios do programa.

Envolto em uma louca técnica de animação, cuja leveza e graciosidade fazem o espectador esquecer que fora produzida em Flash, cada episódio escala uma das seis para protagonizar a estória da vez ensinando morais e bons costumes através de práticas inspiradoras, diálogos inteligentes e piadinhas adequadas. O enredo dos episódios, salvo raras exceções, é composto por propícias situações emblemáticas que requerem ajuda, que, ao decorrer da trama, são resolvidas com diversão e direito à diversas referências ao universo cultural estadunidense, principalmente. E no final a lição é traduzida das ações decorridas para palavras em um relatório, apenas para reforçar a ideia, quase que sem necessidade propriamente dita.

Enfim, uma série altamente recomendável para crianças, não as subestimando e divertindo adultos, inclusive. Um desenho animado de menina, o qual não merece ser tachado de inferior, apenas por não se enquadrar ao estigma sexista predominante em nossa atual sociedade, pois a qualidade de um todo é fantástica, repleta de conselhos bastante úteis para muito adulto que se considera esperto.

E mesmo assim, ainda há pessoas pensando que My Little Pony é o FiM.

Os Razandumbas
Leitura Recomendada
Amizade e Amor

Amizade, a Origem

Bem-Vinda à Manada: Análise de uma Feminista

Mulheres de Atenas (Música de Chico Buarque)

O Estranho Fenômeno de My Little Pony (Espanhol, sem legenda)

Papo de Cafeteria 2

Patriarquia

Preconceito e Quadrinhos